Topo
Nós

Nós

Categorias

Histórico

Você conseguiria viver com R$ 5 por dia?

Brenda Fucuta

09/11/2019 04h00

iStock

"E a verdade é que essa estranha vontade que eu tinha quando pequeno –a de dar uma segunda chance ao que não tem nem vai ter segunda chance– é uma das coisas que impelem a minha mão também agora –toda vez que sento para escrever uma história."  Amós Oz, no livro "De Amor e Trevas"

No último texto que escrevi, sobre a desigualdade social, fui chamada de comunista. Bem, para quem pensa assim, vou explicar: assim como a história, não sou a favor do comunismo.  É muito mais simples. A desigualdade torna o mundo instável e insustentável. Sou a favor de um modelo econômico que diminua a distância entre os muito ricos e os muito pobres.  Sinceramente, estranho quem não seja.

Nesta semana, o IBGE divulgou dados mostrando que, em 2018, mais de 13 milhões de pessoas, em um contexto de renda familiar, vivem com menos de R$ 145 por mês –o que não chega a R$ 5 por dia (segundo as referências internacionais usadas pelo IBGE, esse valor pode alcançar R$ 7 por dia). São os extremamente pobres, 6% da população. Quem ganha de R$ 145 até R$ 420 é "apenas" pobre e corresponde a um quarto da população brasileira.

Por outro lado, o grupo dos 10% mais ricos superou seu desempenho histórico em 2018, alcançando o maior valor de renda mensal desde 2012: R$ 5.764. Fazendo uma conta simples, de pura divisão por 30 dias, chegamos a R$ 192 por dia. Não é lá grande coisa também. Mas, se formos até a renda dos 1% mais ricos, teremos uma realidade bem diferente: o ganho médio ultrapassa R$ 27 mil por mês, quase R$ 1.000 por dia, arredondando a conta pra cima.

O que se consegue comprar com R$ 5 por dia? Dá para pagar a passagem de ida de ônibus, mas não dá para completar a volta. Dá, em São Paulo, para comprar 200 g de carne de primeira, segundo o site da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado. Dependendo do supermercado, a gente consegue comprar entre 1 kg ou 2 kg de arroz. Mas não consegue comprar um par de meias nem uma calcinha ou uma cueca. Também não consegue comprar uma cartela de 4 a 6 remédios antigripais.

E quem vive nessa condição?  Sete a cada dez pessoas que vivem na miséria são pretos e pardos. Sete a cada dez com maiores rendimentos (o grupo dos 10% que citei acima) são brancos. E, no pior dos quadrantes, está a mulher preta ou parda que cria seus filhos sozinha.

Com isso, espero que parem de dizer que machismo e racismo no Brasil são mimimi. Não são. Machismo e racismo produzem estatísticas aberrantes e não há como negá-los diante desses dados do IBGE.

Voltando à inspiração dada pelo escritor israelense Amós Oz, espero também ver pretos, pardos e mulheres tendo uma segunda chance de viver em uma sociedade mais humana, ética e justa. E, finalmente, espero que você não seja contra isso.

Leia também:

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Brenda Fucuta é jornalista, escritora e consultora de conteúdo. Autora do livro “Hipnotizados: o que os nossos filhos fazem na internet e o que a internet faz com eles”, escreve sobre novas famílias, envelhecimento, identidade de gênero e direitos humanos. Além de entrevistar pessoas incríveis.

Sobre o blog

Reflexões de uma jornalista otimista sobre nossa vida em comum

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog Nós