Nós

Categorias

Histórico

As babás agora falam espanhol mas continuam usando uniforme branco

Brenda Fucuta

17/11/2017 11h49

Castas brasileiras: somos iguais, mas nem tanto.                                                                                 Foto: Denise Johnson em Unsplash

Eu estava acompanhando minha amiga à aula de natação da netinha. Sentamos, minha amiga e eu, lado a lado, em um banco de madeira perto da recepção. À nossa frente, dentro de um aquário de vidros panorâmicos, um espetáculo de alegria que só as crianças e as piscinas, juntas, conseguem produzir. Meninas e meninos de 4, 5 anos de idade aprendendo a nadar, a mergulhar e a pular na água. Uma delícia.

Você pode medir o PIB de um bairro pelo número de uniformes brancos que vê nas ruas, nas filas das escolas e nas pracinhas. Esta academia tinha dezenas de mulheres de branco à espera de seus pequenos clientes. Uma delas brincava com uma garotinha, fazendo hora para a chegada do Uber. Estavam de frente uma para a outra e a menina ensinava a babá a espalmar as mãos e cantar uma variante de uni duni dê. Com sotaque espanhol, a babá se esforçava para acompanhá-la.

Tem coisas que custam a mudar. Me lembrei da eficiente e adorável babá que levava meu filho caçula às aulas de natação. Nunca vestiu branco. Mas suas colegas vestiam.

Acho o branco odioso, porque reflete uma não-mudança da nossa sociedade no que ela tem de pior: a separação da casa grande e da senzala. O uniforme branco é um símbolo indecoroso de uma sociedade da ostentação, que aspira viver de privilégios, que valoriza a divisão entre quem pode e quem não pode.

Por que as babás usam branco? Estão na categoria dos enfermeiros, médicos e operários de indústrias alimentícias, profissionais que necessitam de roupas e ambientes assépticos para trabalhar bem? Não. Quem cuida de crianças, no dia a dia, não precisa usar branco. Crianças não vivem e não devem viver em ambientes imaculados. Elas precisam criar anticorpos. Justificar o branco dos uniformes das babás por causa da higiene é uma posição equivocada, para dizer o mínimo.

Babás usam branco para que se destaquem, para que não se misturem. Elas estão em nossas famílias mas são nossas empregadas. Com o uniforme branco, ensinamos nossos filhos a criar distância de adultos que eles – não houvesse a grande fronteira branca – provavelmente amariam mais do que a seus tios, primos ou avós.

Sobre a autora

Brenda Fucuta trabalhou em jornais e revistas por 30 anos e se especializou no comportamento de jovens e mulheres. Atualmente, estuda a convivência de gerações e escreve sobre o universo digital dos adolescentes.

Sobre o blog

Reflexões de uma jornalista otimista sobre nossa vida em comum

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog Nós
Blog Nós
Blog Nós
Blog Nós
Blog Nós
Blog Nós
Blog Nós
Topo